quarta-feira, setembro 24, 2008

Diz-me o que ouves, dir-te-ei quem és...

Bem, o passo em frente neste caso será deixar de vez o festival da Eurovisão, tão mau tema para se prolongar eternamente no blog que pretendo que recupere grande parte do seu carisma...

Dar outra cor ao tema Música parece-me uma boa forma para voltar em força! Ah, pois é...contem lá o que ouvem e..pimba...(a alusão ao termo foi propositada)...tirão-vos logo a pinta. Agora perguntam vocês, «mas ó Casanova e se a miúda não se interessa minimamente por qualquer tipo de música e se o que gosta é o que dá na rádio ou na novela da TVI», aí eu pergunto «do que é que tu gostas??olha que com esse sotaquezinho saloio ela pode estar mesmo assim perfeitinha para ti!» Com isto quero dizer, não avancemos para juízos da tanga e há que perceber que há potencial para aprender, para partilhar e que há que escolher bem o momento do nosso som. Porém, se não há compreensão auditiva..humm..o mais sensato pode ser saltar fora ou ser surdo por opção!


É importante ser autocrítico e perceber que raio de música ouço eu e o que é que não suporto - «sim, não me imagino a acordar com Roberto Carlos, mas acredito que seja possível gostar do "Chupa Teresa" logo pela manhã (tinha de reavivar o saudoso Quim) e fazer uma verdadeira rapsódia da música popular portuguesa». Considerações à parte, homem que é homem também perde a postura de vez em quando!Sim, estava a falar de sexo, obviamente! Não me venham cá ser púdicos, nem falar em religião.


Outra possibilidade é optarmos pelo lado economicista da questão, ou se quiserem o lado prático - qual a música que me permite chegar mais rápido aos meus objectivos? Certamente, que vão recordar a táctica do "slow", muito bem utilizada por alguns em idade adolescente, no tempo em que as festas de garagem eram do mais profícuo que havia. A este nível nunca é de nigligenciar o conhecimento da outra pessoa...há que conhecer os pontos fracos e fortes (já dizia o Sun Tzu na Arte da Guerra...fundamental conhecer o adversário (nunca subestimar) para sair vencedor. Ao nível economicista, acrescento um toque de gestão e digo que é preciso estar atento às oportunidade e também às ameaças!


Num tom mais sério, a música faz maravilhas. Fundamental para o ambiente num bom jantar, no criar da envolvência certa e, porque não, para dar um certo romantismo ou sensualidade ao momento...
Sejam humildes e admitam se se querem apaixonar ou se querem ser um autêntico predador, matador, Topo de Gama ou Casanova. Se a opção for a primeira, bem então aí concordo que a cumplicidade musical é importante...Se optarem pelas outras hipóteses é mais um ingrediente que deve claramente ser utilizado a favor. Por outro lado, se descobrirem por mero acaso que os gostos são muito compatíveis e de extrema qualidade, porque não olhar para a questão com um olhar mais sábio e profundo?


Reforço, diz-me o que ouves, dir-te-ei quem és...


(Só assim saberei qual a melodia que te vou/quero dar!)

5 comentários:

Izzi disse...

Gostei da mudança de tema...já estava farta de ver ali a uncraniana...

Discussão pertinente...o que é que tu ouves?

Diabba disse...

Estou fora da análise. Não gosto de música. hihihihi e agora?

Por onde anda o Topo, ainda lá pelas terras das mulheres ruivas?

enxofre

Sophie disse...

Eu ouço a música do castelo branco :D E agora? ahahah

Hummmm, tenho q dizer q casanova me parece demasiado ambicioso e topo de gama aki sou eu :D LOL

Mas gosto de conversas de gajo, não tivesse eu nascido homem x) Eu sei que vão aki compactadas muitas barbaridade, mas... há que partilhar :p **

rouxinol de Bernardim disse...

Correcto mas o azul dá pouca visibilidade...

[In]satisfeita disse...

É mais ou menos isso, mas atenção que às vezes há surpresas!

Não vivo sem música!

Um beijinho